Aqui ao virar da esquina: um paraíso chamado Berlengas

♣ by Vera Duarte

As Berlengas são tudo aquilo que descrevem, e muito mais. Uma Reserva Natural no seu estado mais selvagem, a cerca de 7 milhas do Porto de Peniche. É tão especial nas suas características naturais que se permite a ter espécies (de fauna e de flora) que não existem em mais nenhum outro lugar, o que lhe valeu, em 2011, o título de Reserva Mundial da Biosfera da UNESCO. Por isso, de dezembro a março a Ilha é apenas habitada pelos faroleiros e vigilantes da natureza, e na época balnear o acesso à ilha é controlado e condicionado, em número de pessoas e tempo de permanência. Não tive a experiência de pernoitar na ilha (no parque de campismo ou na pousada) mas, por aquilo que vi, acho que deve ser uma experiência única de insularidade.

Como tudo em Portugal, o arquipélago das Berlengas (constituído por três ilhas, Berlenga Grande, Estelas e Farilhões) é feita de história, e das antigas. A ilha da Berlenga Grande, apesar do nome, é pequena e faz-se a pé por um trilho de observação já traçado que circunda boa parte da ilha. “Keep on the marked trail”, diz a tabuleta.
IMG_3572
Foto retirada de Viajar entre Viagens  
Do cimo podemos admirar o Farol Duque de Bragança (1841) e descendo os muitos degraus entramos no Forte de São João Baptista (1655). De acessos rudes, o Forte é sólido, espartano e olha-nos de esguelha. Percebe-se que assim seja, não tivesse sido ele construído para defender o território dos constantes assaltos de piratas e corsários marroquinos, argelinos, turcos, ingleses, franceses ou espanhóis. Hoje, restaurado e aberto ao turismo, acolhe a Associação dos Amigos das Berlengas. E com isso, o seu ar de durão rende-se à gargalhada barullhenta dos/as jovens que correm pelas suas muralhas, espreitam pelas suas janelas e atiram-se à água das escadarias de acesso. Tão corajosos/as quanto ele, pensa!
13895465_1456658277681505_3783626542917315881_n (1)
14012794_10154419473766823_792844386_o

Do Forte saem pequenas embarcações (barco, outra vez!!) com fundo de vidro, que nos permitem perceber a policromia da fauna marítima. Um passeio obrigatório. Contornando o rendilhado das falésias, levam-nos a passear por grutas que apelam à nossa imaginação, enquanto ouvimos um pouco das histórias da ilha. A transparência das águas é indescritível e o silêncio que se faz sentir é interrompido pelo barulho ensurdecedor das gaivotas e das várias espécies de aves marinhas e não marinhas que povoam as ilhas. Afinal somos suas convidadas.

13925113_1390197984329522_3729694698662226399_n

imagem1
Foto retirada de Life Berlengas
No fim, a pequena praia do Carreiro do Mosteiro. Com cerca de 40 metros de comprimento, o seu areal faz esforço para acolher todas as pessoas. Foi lá que terminámos o nosso passeio e esperamos pelo barco para retornar ao porto de Peniche. Mas admito que a cor cristalina daquelas águas, de diferentes tons de azul, tinha-me arrebatado já no momento de chegada. Pensei… como é possível uma beleza assim!! Bem, isso foi até por o pé na água! 🙂 Mas não desistimos… entramos e mergulhamos… e sentimo-nos parte daquela natureza. É nestes momentos e lugares que percebes que “quem só acredita no visível tem um mundo muito pequeno”.
O sol começa a esconder-se cedo por detrás dos rochedos, pouco depois das 17h00 a praia fica à sombra… está na hora de regressar. O regresso fez-se tranquilo, a favor da ondulação, e o sol, já bem baixinho, despediu-se de nós. E assim, ao virar da esquina, temos um paraíso chamado Berlengas!

♥ Passeio feito em agosto de 2016

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s