“Não há cantinho que não seja um poema”: uma visita a Sintra

♣ by Vera Duarte

“Tudo em Sintra é divino, não há cantinho que não seja um poema”, Eça de Queirós, Os Maias.

Todas as vezes que passei por Sintra, os meus olhos procuravam teimosamente aquele edifício, de cores bem fortes, lá no alto ladeirento da serra de Sintra. Lá está, imponente, o Palácio Nacional da Pena… qual pintura rasgando os céus, conquistando reis e inspirando poetas.

Desta vez não houve passagem, mas paragem. A visita fez-se com a calma que este lugar exige. Passo a passo, primeiro pelos jardins, depois pelo empedrado da entrada, tudo sorri para nós. Chegar ao palácio pode demorar meia hora ou uma hora, depende do tempo que queremos dedicar a explorar o Parque da Pena, cheio de percursos, jardins, pontes, grutas, lagos, estufas e estátuas.

A invulgaridade e o exotismo são as palavras de ordem, e estão refletidas em cada fachada, porta, passadiço, esquina ou janela do Palácio da Pena. Uma mistura de estilos que nos deixa perplexos/as. Arcos ogivais, torres medievais, elementos de inspiração árabe. Inevitavelmente, começamos à procura da história… pois só alguém com grande sensibilidade, arrebatado pela beleza do local, e com particular afeição pelas artes conceberia um lugar assim. E a história está lá. Antigo Convento, construído no século XVI por D. Manuel I, o atual Palácio da Pena foi restaurado pelo rei-consorte D. Fernando II, no século XIX. Conhecido pelo temperamento romântico, deixa a sua marcar em todo o edifício.
IMG_20170629_114603989

IMG_20170629_114635891

Fascinou-me particularmente o “Pórtico do Tritão”, projetado pelo próprio D. Fernando, como alegoria à criação do mundo. O arco onde o Tritão descansa, um ser híbrido, meio-homem, meio-peixe, de semblante assustador, é ladeado de duas torres decoradas em relevo por uma espécie de imitação de corais. É impossível ficar-se indiferente a tal pormenor. É impossível. Sentas-te um pouco, num dos terraços, e voltas a olhar para tudo à tua volta, como se fosse a primeira vez. O sol bate na fachada. Nunca o amarelo e o vermelho combinaram tão bem. O sol bate mais um pouco, e os azulejos neo-hispano-árabes, oitocentistas, fazem-nos viajar para outras terras. Afinal estamos no Monte da Lua… onde os sonhos são possíveis.

IMG_20170629_115616077

Do Palácio da Pena rumamos ao Palácio e Parque de Monserrate. Outro deslumbre. Mais intimista, a visita pelo interior do Palácio faz-nos sonhar com tempos idos. De influências medievais e orientais é, juntamente com o Palácio da Pena, um dos exemplos mais importantes da arquitetura romântica em Portugal. Percorremos os corredores, feitos de arcos de um rendilhado finíssimo e de paredes desenhadas a relevo. Em cada canto, sinais de uma decoração eclética, bustos, arabescos, portas em madeira trabalhada e arquiteturas de estilo indo-persa. Na sala da música, sentamo-nos no chão a olhar para o tecto, feito de minudências. Fechando os olhos era possível ouvir a música e imaginar o movimento.

Os jardins circundantes permitem-nos viajar pelos cinco continentes através da botânica, e refletem o exotismo e o espírito romântico do seu último proprietário, Francis Cook, um industrial inglês que foi agraciado pelo Rei D. Luís com o título de Visconde de Monserrate (1859). Os cenários são contrastantes. De caminhos sinuosos passamos para clareiras e relvados. Da vegetação cerrada esbarramos com pequenos jardins mágicos. Do jardim dos fetos, que até podia ser dos afetos, vislumbramos lagos e cascatas. A cada passo um banco. O descanso faz-se com vistas de suster a respiração. Numa dessas vistas, sentadas no relvado de um dos jardins circundantes do Palácio, almoçamos a melhor das refeições. Aquela que é acompanhada de um sentimentos de gratidão.

No final do dia, com as pernas cansadas de tanto andar, mas com a alma a transbordar, o descanso fez-se no centro histórico de Sintra, a comer um travesseiro (doce típico) da Casa Piriquita, e a traçar o roteiro da próximo visita. Sim, o regresso a Sintra é certo, porque ainda há todo um “pequeno mundo” a desvelar. Pois, como descreveu José Saramago, no Memorial do Convento, “[Sintra] daria um bom paraíso no caso de Deus fazer outra tentativa!”

IMG_20170629_165534398

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s