Europa França Mundo

“Paris, je t’aime”: 12 ideias para quem quer fugir dos clichés

Quem diz que não se pode voltar onde já se foi feliz?

Não faltam roteiros sobre “Visitar Paris em 2, 3 ou 4 dias“, “Locais imperdíveis ou obrigatórios para visitar em Paris“, “O que fazer em Paris“. Lemos as crónicas de blogues como Viajar entre Viagens, Alma de Viajante, VagaMundos, entre outros. Todos estes roteiros são ótimos para nos ajudar a traçar a viagem, principalmente quando é a primeira vez. Mas quando já foste a essa cidade duas, três ou quatro vezes, e gostas tanto dela que queres (sempre) regressar, a questão que te colocas é outra. O que posso fazer de diferente?

Paris é cheio daqueles clichés maravilhosos que gostamos de repetir e que valem a visita, mas a cidade oferece-nos muito mais. Deixamos aqui 12 ideias do que pode fazer para complementar a sua viagem e torná-la ainda mais inesquecível. Como no filme “Paris je t’aime”, o desafio é cada um construir a sua própria Paris.

1. Voltar aos monumentos mais importantes, olhar para eles de um ângulo diferente e tirar fotos divertidas. Eles estão lá para nós.

Em Paris, o número de monumentos por metro quadrado é impressionante, o que torna esta cidade única. Quem lá vai tem de visitar a Torre Eiffel, a Catedral de Notre-Dame, o Museu do Louvre, o Arco do Triunfo, o Museu de Orsay, o Palau Royal ou a Basílica de Sacré-Coeur. Passear pelos Champs- Élysées e pelo Jardim de Luxemburgo e passar pelas pontes que unem as margens do Rio Sena (como a Pont Alexandre III, Pont de L’Alma, Pont Neuf, ricas em detalhes). Fora da cidade, visitar Palácio de Versailles e voltar à infância na Disneyland. Mas, como dizia Edmondo de Amicis, “nunca vemos Paris pela primeira vez; sempre a vemos novamente”.

Museu du Louvre
“O Palais Royal é um daqueles locais “Alice no País das Maravilhas”, um lugar fantástico feito de poemas, enigmas e pequenos segredos. Um lugar onde podemos mudar de tamanho e brincar às escondidas. Estamos certos que deve andar por lá um “Coelho Branco””

2. Fazer um cruzeiro no Sena

Uma das melhores formas de desfrutar de Paris é fazendo um passeio de barco pelo Rio Sena, que nos leva ao coração da cidade, passando pelos locais mais emblemáticos. Os passeios foram pensados para todas as carteiras, desde o cruzeiro turístico de uma hora até o cruzeiro noturno com jantar incluído. Recomendamos que faça o passeio ao final do dia e quando anoitecer vire o olhar para a Torre Eiffel. Ela vai estar iluminada, num espetáculo mágico e inesquecível.

3. Alugar uma trotinete ou bicicleta para circular na cidade

Do ponto de vista ecológico, as trotinetes e as bicicletas são melhores e mais recomendáveis, além de ser uma experiência diferente e divertida. Há pontos de aluguer espalhados por toda a cidade e são usadas pelos locais, no seu dia-a-dia, mas também por turistas. Quem as usa diz que o sistema é rápido e fácil. A trotinete é mais recente e tem suscitado alguma controvérsia, pela má utilização. Por isso, se for a Paris e quiser alugar uma trotinete elétrica esteja atento/a às multas por mau estacionamento e condução inadequada.

4. Colocar um cadeado na ponte (Passarelle Léopold-Sédar-Senghor)

Reza a lenda que o casal que colocar um cadeado na ponte (escrevendo os seus nomes ou iniciais) e atirar a chave ao rio Sena terá um amor eterno. Parece que “o amor selado num cadeado” é promessa de felicidade. Não sabemos se é, mas gostamos de ver que na naquela ponte os cadeados são de todas as cores, tamanhos e feitios, como deve ser o Amor… diverso e sem reservas.

Em Paris, como em outros locais, a colocação dos cadeados tem dividido opiniões. Se o sentimento é nobre, o número elevado de cadeados tem estragado o património público. Por isso, se puser um cadeado tem de ter noção que o “seu amor” pode ser leiloado*, mas será por uma boa causa

* Em 2015, os cadeados começaram a ser retirados da Ponte des Arts, para evitar acidentes devido ao risco de desabamento das suas grades. Em 2017, houve um leilão solidário dos cadeados. O dinheiro arrecadado foi destinado a organizações que cuidavam de refugiados.

5. Fazer uma refeição à beira rio

O rio Sena dispensa apresentações. Ele confere a Paris um charme especial e nas suas margens as pessoas criam vida. Passeiam, conversam, lêem, marcam encontros, fazem desporto e descansam à hora das refeições. Para quem está de passeio, fazer uma refeição sentada nas margens do rio, não só é uma solução mais económica, como permite rentabilizar o tempo. Não faltam restaurantes fantásticos, mas não seria a mesma coisa!

6. Comer um crepe de nutella com banana, na rua

Esta experiência, sim, deveria ser Património Imaterial (ahahahah!!!) Obrigatório, irresistível, repetível e inesquecível. Um pecado (calórico) que nos faz ganhar o céu!

7. Visitar e demorar-se na Livraria Shakespeare & Company

“Seja gentil com estranhos, pois eles podem ser anjos disfarçados” é o lema da livraria, “ler um livro por dia” era o lema do seu fundador, George Whitman. A livraria Shakespeare & Company atrai visitantes de todo o mundo. Uns vêm pelo acervo de livros disponível, outros para sentir a atmosfera do lugar, outros ainda, são apenas curiosos que não resistem ao seu ambiente pitoresco e charmoso. A cafetaria segue o lema e apela a um ambiente de convívio. Pode tomar café artesanal, beber sumos do dia, comer tartes caseiras… tudo isto com uma janela virada para a Catedral Notre Dame.

8. Passear no Quartier Latin

O Quartier Latin (ou Bairro Latino) é uma zona boémia, marcado pelas suas ruas estreitas e labirínticas, plenas de restaurante, cafés e muito comércio. É um bairro feito de cor e dinamismo, com uma atmosfera muito própria. Sabiam que o Quartier Latin foi um dos centros da Revolução de Maio de 68? Isso explica muita coisa!

9. “Ver a vida passar” num dos cafés típicos de Paris

Nenhuma viagem a Paris fica completa se não passarmos algum tempo sentados na esplanada de um café parisiense, seja ele mais ou menos famoso. É um ato totalmente cultural e seria um cliché se não fosse tão singular e vivido de forma tão própria. Cafés muito antigos, que contam histórias incríveis dos seus “antigos clientes”. Como não imaginar Jean-Paul Sartre e Simone de Beauvoir a conversar intensamente numa das mesas do Café de Flore ou do Café Le Deux Magots ? Ou Pablo Picasso a inspirar-se enquanto olha a vida que corre cá fora através do vidro do Café De La Rotonde.

Café de Flore, 172 Boulevard Saint-Germain, 6º arrondissement

10. Assistir a um espetáculo

A cidade de Luz é também a cidade das plumas, dos cabarets, dos shows e da ópera. Escolha um e vá. Não são baratos, mas é uma experiência singular.

11. Comprar livros nos “Les bouquinistes” de rua

Sabiam que “les bouquinistes” (livreiros/ alfarrabistas) de Paris estão listados como Património Cultural Imaterial de França? A sua presença marca a paisagem nas margens do Sena. Impossível não nos sentirmos atraídos por tanta história representada nos livros, nas gravuras, nos selos, nas fotografias, nos papéis. Um filme antigo em movimento…

12. Comprar uma garrafa de vinho e terminar o dia sentado na Square du Vert Galant, na Île de la Cité

A Square du Vert Galant é um parque que está localizada na ponta da Île de la Cité. No coração de Paris, encontramos esta varanda sobre o Sena que nos oferece um ambiente descontraído e permite sentir o pulsar da cidade de uma forma diferente. Um local ideal para terminar o dia.

Square du Vert Galant – Île de la Cité

E há tantos outros lugares e experiências que ficaram por fazer. Nós, por cá, vamos continuar a estar atentos aos voos baratos, porque, como diz Audrey Hepburn, “Paris é sempre uma boa ideia.”


- Visita realizada em Fevereiro de 2019
- Fotografia de Marcelo Andrade @iremviagem
- Acompanhe-nos também nas Redes Sociais Facebook | Instagram
- Se usar este link para fazer o seu seguro de viagem IATI, usufrui de 5% de desconto

Somos um casal português que adora viajar. Conhecemo-nos em viagem e partilhamos o mesmo lema: o que interessa é IR, e nesse ir somos sempre mais nós. É neste espírito que nasce o Ir em Viagem, um espaço de partilha das nossas aventuras e experiências em viagem.

1 comentário em ““Paris, je t’aime”: 12 ideias para quem quer fugir dos clichés

  1. Maria Manuela Duarte

    Se foi inventado por vós, está muito original e vale a pena experimentar.
    Parabéns pelas ideias.

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: