Image Alt

Picos da Europa: o que visitar em Covadonga

Quem ainda não ouviu falar dos Picos da Europa e dos bonitos Lagos de Covadonga?

O Parque Nacional dos Picos da Europa situa-se no norte de Espanha, na parte central da Cordilheira Cantábrica, estendendo-se por três províncias: Castela e Leão, Cantábria e Astúrias. Foi o primeiro parque natural de Espanha, tem mais de 67 127 hectares de montanhas e desfiladeiros, rios e lagos azuis, aldeias medievais, povoadas de gente simpática e tascos com presuntos pendurados à porta.

Neste artigo vamos abraçar somente uma das suas regiões mais emblemáticas, Covadonga. A diversidade é um das suas principais características. Aqui encontraremos natureza, história, religião e boa gastronomia. Vai-nos fascinar pelas paisagens de perder de vista, e tem dois grandes símbolos que são de visita obrigatória para quem por lá passa. Os seus Lagos: Enol e Ercina e o Santuário de Covadonga, que têm como ex-libris a Basílica e a Santa Cueva.

onde fica

Covadonga fica a cerca de 90 quilómetros de Oviedo, que é a capital de Astúrias, mas a cidade de referência para lá chegar é Cangas de Onís, seguindo as estradas AS-262 e CO-4. Não perca a oportunidade de visitar este “pueblo”, beijado pelo rio Sella, e que foi considerado a “Porta Asturiana dos Picos da Europa”.

Cangas tem vida. Está repleta de hotéis e lojas que vendem produtos gastronómicos e vários materiais para as atividades de montanha. Aqui poderá desfrutar, também, de bons restaurantes para provar a gastronomia local, como a Fabada Asturiana, beber a Sidra, deliciar-se (ou não!) com o queijo de Cabrales, e sair “por la noche”. Mas Cangas de Onís é, também, a sua história e, por isso, há dois locais que não pode deixar de visitar: a ponte ogival, com a Cruz da Vitória pendente sobre as águas do Sella e o miradouro de Següencu, que nos dá uma vista panorâmica sobre os Picos da Europa.

Se não quiser parar em Cangas de Onís, deve seguir todas as indicações que lhe vão aparecer pela AS-262 a dizer Covadonga. Chegará perto da Basílica onde terá que deixar o seu carro num dos muitos parques de estacionamento existentes (ver mapa em baixo)

Informação importante: para visitar a Basílica e toda a zona circundante deverá faze-lo a pé. Para subir aos lagos deve ter em atenção que a estrada de acesso é fechada a veículos particulares durante os meses de verão, Páscoa e feriados. Nessa altura a única forma de aceder aos lagos é de autocarro público. Para mais informações, consulte aqui o site oficial.

Fonte: @picosdaeuropa.com

Basilica de covadonga

A Basilica de Covadonga impressiona.

Foi concluída em 1901, é de estilo românico e a sua cor telha chama a nossa atenção no meio da vegetação. Mesmo em frente podemos encontrar a estátua de Pelayo, fundador do Reino das Astúrias e o grande mentor do início da reconquista cristã aos mouros, na Península Ibérica. Ao descer encontraremos uma pequena capela, chamada La Cueva onde se encontra a imagem da Virgem de Covadonga, conhecida como La Santina, e o sepulcro de Pelayo. Reza a lenda que Pelayo foi buscar ajuda a essa força divina para vencer a Batalha de Covadonga (no século VIII). Por isso, este lugar, cravado na rocha, é tão especial e místico, tornando-se um dos locais de peregrinação mais visitados, especialmente em Agosto.

Basilica de Covadonga

Depois de visitar uma das marcas histórias de Covadonga é hora de subir para um outro santuário, este, bem natural. 

Os lagos Enol e Ercina

Digam lá que estes lagos não têm nomes de divindades da natureza?

Enol e Ercina são os dois grandes lagos de Covadonga, têm origem glacial e estão situados a mais de 1.000 metros sobre o nível do mar e foram os grandes responsáveis pela formação do Primeiro parque natural do País, em 1918, pelo Rei Afonso XIII.

Sabia que os Lagos recebem mais de 800 mil visitantes por ano?

Ao subir, os nossos olhos vão se maravilhando com uma paisagem pintada de verde, onde as vacas e os cavalos descansam tranquilamente, e a vista é de cortar a respiração. O primeiro lago que encontra é o Lago Enol com toda a sua imponência. Já estamos a 1010 m de altitude e este é o mais profundo dos lagos.

Se continuar a subir, chegará ao Centro de Visitantes Pedro Pidal, onde deve estacionar o seu carro porque a partir daqui a visita é feita a pé. Aproveite para conhecer um pouco mais da região e pedir um mapa para uma melhor orientação. A dois passos encontrará o Miradouro do Príncipe para lhe tirar um uauuuu gigante.

Continuando a caminho do Lago Ercina, irá passar pelas Minas de Buferrera que funcionaram durante 130 anos, até 1979, e foram uma importante e intensa exploração mineira de ferro, mercúrio e  magnésio. Na sua época áurea chegou a ter mais de 500 trabalhadores, mas com o tempo foi perdendo a força, muito pelas condições de trabalho e pelos vários acidentes que foram acontecendo. Na atualidade, as Minas foram reabilitadas e abertas ao público. Lá é possível conhecer um pouco da dinâmica, dos utensílios usados e, acima de tudo, o quão duro era o trabalho de extração de minério.

Continuamos a subir e os chocalhos das vacas anunciam algo mágico. Chegamos ao Lago Ercina. Tudo é imensidão, tudo é um pouco de perfeição. Estamos a 1108 m de altitude e daqui podemos contemplar La Peña Santa de Enol, a segunda montanha mais alta do Maçico Ocidental dos Picos da Europa.

Sente-se um bocadinho e aproveite este momento tão especial.

Qual a melhor maneira de visitar os Lagos?

Tem várias opções. Uma é percorrendo o Trilho PR-PNPE 2, que está devidamente sinalizado, e que passa pelos três Lagos de Covadonga (Enol, Ercina e Bricial) e pelas Minas de Buferrera é. O trilho é circular e a distância a percorrer é de 5 km.

Se pretender ver apenas os Lagos Enol e Ercina, basta percorrer 2 km do trilho. Para regressar, pode fazer o mesmo trajeto em direção ao Centro de Visitantes Pedro Pidal, onde deixou o carro, ou fazer uma parte do Trilho em direção ao Lago Enol.

Para os mais aventureiros tem a emblemática Rota de Frassinelli (PR-PNPE 1) que são 30 quilómetros ida e volta.

Dica útil: O Parque Nacional organiza passeios guiados (gratuitos e em espanhol). Para mais informações e reservas veja aqui

onde ficamos alojados

Nesta viagem ficamos alojado nos Apartamentos El Ardinal, em Arenas de Cabrales, que ficam a 14 km de Covadonga, situados dentro do Parque Nacional dos Picos de Europa. Todos os apartamentos têm quarto, casa de banho privativa, cozinha equipada e um terraço com vista para as montanhas. Altamente recomendado.

Os Picos da Europa são uma zona perfeita para o turismo rural e, neste âmbito, não lhe vão faltar opções de alojamentos. Trace o seu percurso e escolha a melhor opção.

sugestões do que fazer nos picos da europa

A partir de Covadonga:

  • Cangas de Onís | a 11 km
  • Poncebos – Ruta del Cares | a 39 km de Covadonga
  • Bulnes | a 42 km
  • Sotres | a 50 km
  • Potes | a 84 km
  • Fuente Dé | a 107km

Se tiver oportunidade não deixe de visitar a capital das Astúrias, a cidade de Oviedo.

De regresso a casa, deixamos aqui duas sugestão de visita que não fazem parte dos Picos da Europa, mas são de passagem obrigatória. Las Medulas, que é Património da Humanidade, e Ponferrada, que é a segunda maior cidade da Província de León e capital da região do Bierzo.

Esperamos que as nossas sugestões e imagens vos inspirem a ir e ajudem a preparar a viagem. Alguma dúvida ou questão, partilhem connosco. Escrevam nos comentários e nós responderemos brevemente.
E já sabem… o importante é IR!

Detalhes
outubro de 2019
Marcelo Andrade, do Ir em Viagem
Planeie a sua viagem

Se fizer a reserva através dos seguintes links, não paga mais por isso e ajuda o Ir em Viagem a continuar as suas viagens

  • Faça um seguro de viagem com a IATI (e ainda recebe 5% de desconto)
  • Encontre o melhor alojamento no Booking. É onde fazemos as nossas reservas.
  • Quer evitar filas? Reserve no GetYourGuide os seus bilhetes para monumentos e tours.

Este post pode ter links afiliados

Escrever um comentário

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipisicing elit sed.

Follow us on