Image Alt

Monte Saint-Michel: um tesouro na costa da Normandia

Se é um/a apaixonado/a por destinos históricos e paisagens deslumbrantes, o Monte Saint-Michel deve estar no topo da sua lista de lugares para visitar. Localizado na costa da Normandia, na foz do rio Couesnon, este pequeno ilhéu rochoso é um dos locais mais emblemáticos de França e é uma visita inesquecível.

É difícil descrever ou encontrar os adjetivos certos. Não é só o que vês, é o quão pequeno te sentes quando vês. E as palavras de Vitor Hugo (1836) ressoam na tua cabeça:

“Aqui, alguém deve empilhar superlativos de admiração”.

Vitor Hugo

E quando lês um pouco da sua história, percebes tanto o seu misticismo, quanto a sua dureza.

O Monte Saint-Michel não é apenas um marco geográfico impressionante, mas também um testemunho vivo da inventividade humana e da espiritualidade que moldou a Europa medieval. Foi edificado no ano 708, por Saint-Aubert, bispo de Avranches, como homenagem ao arcanjo São Miguel. Segundo a lenda, o arcanjo São Miguel apareceu ao bispo e instrui-o a construir uma igreja no topo do monte. Desde então, o Monte Saint-Michel tornou-se um importante centro de peregrinação e um símbolo de resistência, especialmente durante a Guerra dos Cem Anos, quando resistiu a um cerco de 30 anos e nunca se deixou conquistar, apesar dos repetidos ataques ingleses. Sob o reinado de Luís XI, foi transformado em prisão, até 1860. A prisão de Alcatraz na França, como alguns apelidaram. É Património Mundial da UNESCO, desde 1979. Conectado ao continente por uma ponte, transforma-se numa ilha na maré alta, criando um cenário de tirar o fôlego que atrai milhões de turistas todos os anos.

Numa Baía flanqueada pelas regiões da Normandia e da Bretanha, o Monte Saint-Michel é um três em um. Abriga uma charmosa vila medieval, um mosteiro e uma magnífica abadia, e ainda um incrível fenómeno natural das marés. Vejamos cada uma delas.

Ao explorar o Monte Saint-Michel, será transportado no tempo ao caminhar pelas suas ruas estreitas e sinuosas, ladeadas por edifícios históricos, lojas de souvenirs com produtos medievais, restaurantes aconchegantes, pequenos museus e alguns hotéis. A vila tem uma avenida principal, a Grande Rue, onde tudo se passa.

Esta avenida, leva-nos à Abadia que fica no topo e que nos oferece vistas panorâmicas espetaculares e uma sensação de paz e reverência. Denominada de “La Merveille”, podemos visitar a igreja abacial, construída nas primeiras décadas do ano 1000, o claustro e a cripta.

Se tivermos sorte, podemos ver o Monte Saint-Michel a “flutuar”. Sim, porque além de sua riqueza histórica, o Monte Saint-Michel também é um fenómeno natural fascinante. As marés ao redor do monte são algumas das mais altas da Europa, subindo e descendo até 14 metros. A maré cheia é um fenómeno que acontece em períodos específicos, por volta de 50 dias no ano, e depende de questões naturais.


É muito turístico? É. Estima-se que receba mais 3,5 milhões de visitantes por ano. Vale a pena? Cada minuto que passas lá é inesquecível. Quando chegas ou quando te vais embora é impossível não voltar a olhar para aquela cascata de paredes e contrafortes capazes de carregar o peso do mundo. Olhamos até desaparecer no horizonte, isto porque nunca nos cansamos de olhar para o Monte Saint-Michel.

Os imperdíveis do Monte Saint-Michel

A vista panorâmica da Baía e do Monte enquanto caminhamos pela ponte

Maravilhar-se com o tesouro arquitetónico que é a Abadia e os jardins ao redor. Não perca a vista deslumbrante da baía a partir do topo da abadia. É simplesmente espetacular.

Caminhar ao longo das muralhas para ter uma perspetiva diferente do monte.

Assistir ao espetáculo das marés a subir e a descer, transformando o monte em uma ilha.

Subir a Grand Rue até à Abadia e passear pelas ruas estreitas e sinuosas da vila, que estão cheias de lojas de souvenires, cafés e restaurantes. Um desses restaurante é a famosa La Mère Poulard conhecida pelas suas lendárias omeletes, que são uma especialidade local desde 1888 (nós não experimentamos por termos considerado o preço excessivo, à data 45€ por uma omelete simples).

Explorar a baía a pé com guias locais, que partilham histórias e informações sobre a ecologia e a geografia da área. Nós não fizemos (por falta de tempo), mas lemos várias críticas positivas e, uma delas, a importância de fazer esses passeios com guias para garantir a segurança, devido ao terreno arenoso e às rápidas mudanças de maré.

Informações práticas

qual é a melhor altura para visitar?

Visitar o Monte Saint-Michel é uma experiência incrível em qualquer época do ano, mas escolher o momento certo pode tornar sua visita ainda mais especial. O que significa isso?
1) Apesar de na região da Normandia o tempo ser um pouco incerto e, seja qual for a altura do ano, o melhor é ir prevenido com um agasalho e para eventual chuva, a melhor altura para visitar é entre março e setembro, quando a probabilidade de chuva é inferior.
2) Mais do que as estações, as marés ao redor do Monte Saint-Michel são um espetáculo único, por isso, antes de marcar a sua visita consulte a tabela de marés para planear sua chegada e partida. A diferença entre maré alta e baixa é impressionante e pode afetar o acesso ao monte.
3) Leve também em consideração o calendário de eventos locais festivos (e.g. as iluminações de Natal, festival Jazz en Baie, no verão).

Dica: se viajar na época alta faça reservas antecipadas quer das acomodações, quer dos bilhetes para a abadia com antecedência.

MonteSaint-Michel é hipnótico 💛
Não deve haver algoritmo que explique, nem ângulo que lhe tire a fotogenia”.

Ir em Viagem

Fomos em época baixa, mas Saint-Michel ofereceu-nos programa de época alta com sol, maré cheia e poucas filas. À vinda embora voltamos a olhar, até desaparecer no horizonte, isto porque nunca nos cansamos de olhar para o Monte Saint-Michel.

como chegar ao monte saint-michel?

Como o objetivo da nossa viagem era fazer uma road trip pela Bretanha, nós voamos até Nantes, alugamos um carro e fomos até ao Monte Saint-Michel por este meio. De Nantes até lá são 186,6 km, através de N137 e A84.

Mas o Monte Saint-Michel é acessível de várias formas. Uma delas é voar até Rennes, que é o aeroporto mais perto do Monte Saint-Michel (a cerca de 1 hora de carro). Outra forma, muito utilizada pelos turistas, são as day trip desde Paris, maioritariamente em viagens organizadas, mas há também quem faça os 360 km alugando um carro.

Se for de carro lembre-se que não é possível levá-lo para junto do Monte Saint-Michel, como já aconteceu no passado. Existem vários parques que estacionamento que estão localizados a cerca de 2,5 km do Monte Saint-Michel. A partir dos parques, podemos ir a caminhar até lá (pode parecer uma grande distância, mas faz-se muito bem e a paisagem é incrível) ou tirar partido do autocarros que são disponibilizados gratuitamente, funcionando das 7h30 até meia-noite, com frequências variando de 5 a 20 minutos, dependendo da temporada. O autocarro parte mesmo ao lado do estacionamento, faz 3 paragens (Route du Mont, Place du Barrage e Mont Saint-Michel) e demora cerca de 12 minutos.

É preciso pagar para entrar?

A visita ao Monte Saint-Michel é gratuita e isso significa que entrar nas muralhas não tem nenhum custo. No entanto, visitar o interior da abadia e alguns pontos de interesse no interior das muralhas tem um preço associado. À data da visita (fevereiro de 2024) pagamos 13€, mas convém sempre confirmar nas páginas oficiais. Também não se pode esquecer que, se for de carro, será necessário pagar o estacionamento. A tarifa horária varia consoante a altura do ano, mas é quase sempre bastante cara. 

Nota: Como viajamos em época baixa (novembro a fevereiro) pagamos 10€ por um período de 3 a 6 horas. Esse mesmo período de tempo passa para 17€ em época média (abril a junho, setembro e outubro) e para 21€ nas épocas altas (julho e agosto).

quanto tempo preciso para a visita?

O Monte Saint-Michel é bastante pequeno e é possível visitar em meio dia, sem precisarem de pernoitar. Aliás, muitos turistas optam por visitar o Monte Saint-Michel numa day trip desde Paris. Se pretende fugir às multidões, a nossa sugestão é que pernoitem no Monte ou nas suas imediações para poderem explorar o interior da vila de manhã cedo e/ ou ao final do dia. Ver o por-do-sol de lá é uma experiência igualmente bonita. Foi o que fizemos.

onde ficar alojado?

Nós ficamos alojados nas imediações do Monte Saint-Michel num alojamento chamado Gites les 2 Clos au pied du Mont.

Mas pelo caminho vão encontrar muitos “chambres d’hôtes” que são “bed and breakfast à la française”. São sempre uma boa opção porque além de poderem ser mais baratos têm a oportunidade de ficar alojados nas casas de moradores locais.

⭐⭐⭐⭐⭐

Esperamos que as nossas sugestões e imagens vos inspirem a ir e ajudem a preparar a viagem.
Sigam as nossas redes sociais e alguma dúvida ou questão, partilhem connosco. Escrevam nos comentários e nós responderemos brevemente.
E já sabem… o importante é IR!

Detalhes
Fevereiro 2024
Marcelo Andrade
Planeie a sua viagem

Se fizer a reserva através dos seguintes links, não paga mais por isso e ajuda o Ir em Viagem a continuar as suas viagens

  • Faça um seguro de viagem com a IATI (e ainda recebe 5% de desconto)
  • Encontre o melhor alojamento no Booking. É onde fazemos as nossas reservas.
  • Alugue carro, ao melhor preço, na Discover Cars. Entre e explore.
  • Quer evitar filas? Reserve no GetYourGuide os seus bilhetes para monumentos e tours.

Este post pode ter links afiliados

Escrever um comentário

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipisicing elit sed.

Follow us on