Brasil Mundo

[Brasil] Rio de Janeiro: guia para um final feliz

Rio de Janeiro

“Minha alma canta
Vejo o Rio de Janeiro
Estou morrendo de saudade

Tom Jobim

É muito difícil um/a apaixonado/a pelo Rio de Janeiro não ser tomado por este sentimento de saudade de que nos fala Tom Jobin. Não é por acaso que ela tem o epíteto de “Cidade Maravilhosa” e uma cidade “cheia de encantos mil”.

Parte da cidade é Património Cultural da Humanidade, classificada pela UNESCO em 2012. O Rio de Janeiro tem história e imensos ícones culturais e paisagísticos. Tem o futebol, o carnaval carioca, o samba, a bossa nova e a caipirinha. Tem muita alegria a correr naquele calçadão das praias de Copacabana e Ipanema. Tem pontos turísticos imperdíveis como o Corcovado e o Pão de Açúcar. Tem a boémia dos bairros tradicionais e tem as favelas que compõem a fotografia da cidade. Têm gargalhada alta e alegria pura.

Não falta informação disponível sobre o que visitar no Rio de Janeiro e, por isso, o que pretendemos é partilhar um pouco da nossa experiência. O que vimos, o que fizemos e o que recomendamos a quem for ao Rio pela primeira vez.

CONTEÚDOS

- O que fazer
1. Caminhar no calçadão de Copacabana e tomar um banho de mar logo pela manhã
2. Passear por Ipanema
3. Ver o por-do-sol no Arpoador
4. Visitar o Forte de Copacabana
5. Alugar uma bicicleta e andar à volta da Lagoa Rodrigues de Freitas
6. Passear no Jardim Botânico
7. Tomar um café no Plage Café do Parque Lage
8. Fazer um tour social numa Favela
9. Subir ao Corcovado
10. Subir no "bondinho" do Pão de Açucar
11. Ver um jogo de futebol no Maracanã
12. Tirar uma fotografia na Escadaria Selarón e passear pelo bairro de Santa Teresa
13. Visitar o Sambódromo
14. Visitar a Catedral Metropolitana e passear pelo Centro do Rio
15. Curtir a noite da Lapa
16. Ir ao Samba do Trabalhador
17. Fazer um passeio até Búzios, Arraial do Cabo ou Angra dos Reis
18. A felicidade em pequenos momentos

- Caixa de (outras) sugestões

- Informações úteis

Mapa turístico do Rio de Janeiro – RJ @mapasblog

1. Caminhar no calçadão de Copacabana e tomar um banho de mar logo pela manhã

Um dos primeiros programas para nos ambientarmos ao Rio de Janeiro é fazer uma caminhada pelo calçadão da Praia de Copacabana. Deixe tudo no alojamento, vista uma roupa fresca, calce umas havaianas e saia para a rua. O mais bonito do calçadão de Copacabana é o seu conjunto: o desenho da calçada em forma de ondas, igual ao da Praça do Rossio, em Lisboa; o areal extenso; os vendedores de artesanato; as barraquinhas de comes e bebes onde podes comprar uma água de coco bem gelada; os hotéis e os edifícios de alto padrão, e a agitação das pessoas que circulam por lá de forma colorida.

A Praia de Copacabana (do Forte de Copacabana à Praia do Leme) tem cerca de 4 quilómetros e uma boa forma de a percorrer, além de ir caminhando, é alugando uma bicicleta. Vai encontrar bicicletas cor-de-laranja por toda parte. São as Bike Rio (ou Bike Itaú), um sistema easy-to-use e bastante barato. E como todos os passeios pedem que estejamos hidratados, nada melhor que parar pelo caminho e pedir um “chop bem geladinho”. É obrigatório beber uma cerveja a olhar a praia e a cantar “cidade maravilhosa, coração do meu Brasil…”

2. Passear por Ipanema

Ipanema é muito mais do que a sua praia. É poesia, é arte, é música. Com o seu estilo hippie-chic, cheio de glamour, é linda para ser passeada. Ipanema tem lojas, restaurantes e bares requintados. A música “Rapariga de Ipanema” de Vinícius de Moraes e Tom Jobim, em 1962, trouxe esta zona da cidade para a ribalta. “Olha que coisa mais linda, mais cheia de graça…”.

3. Ver o por-do-sol no Arpoador

A Pedra do Arpoador é um dos locais mais extraordinários para assistir ao pôr-do-sol, com vista para a praia de Ipanema, praia do Leblon, morro dos dois irmãos e Pedra da Gávea. Mas é, acima de tudo, local de encontro. Dezenas de pessoas ficam lá, sentadas, a beber, a conversar ou apenas a usufruir da beleza natural desta cidade surpreendente.

4. Visitar o Forte de Copacabana

O Forte de Copacabana tem uma vista maravilhosa da Praia de Copacabana, da Praia do Diabo e do Pão de Açúcar. Ao entrar pode visitar o Museu Histórico do Exército, além de exposições e atividades culturais como teatro, música, poesia e dança que animam o seu programa cultural. Encontrará também cafés, restaurantes e lojas de artesanato. A entrada é gratuita às terças feiras.

Morada: Praça Coronel Eugênio Franco nº 1 – Posto 6, Copacabana, Rio de Janeiro | Site: https://fortedecopacabana.com.br/

5. Alugar uma bicicleta e andar à volta da Lagoa Rodrigues de Freitas

A ciclovia ao redor da lagoa oferece uma ótima oportunidade para explorar o seu perímetro em forma de coração, que é um pedaço de tranquilidade dentro da cidade.

6. Passear no Jardim Botânico

O Jardim Botânico do Rio de Janeiro tem mais de 200 anos de história e a sua fundação coincide com a chegada da Família Real portuguesa ao Brasil. É considerado Património Nacional e Reserva da Biosfera da Mata Atlântica pela UNESCO. Num dos bancos lê-se: “Sentada ali no banco, a gente não faz nada: fica apenas sentada deixando o mundo ser” (Clarice Lispector). É assim que deve ser a visita ao Jardim Botânico. Devagar e saboreada.

Morada: Rua Jardim Botânico, 1008, Rio de Janeiro | Site: www.jbrj.gov.br

7. Tomar um café no Plage Café do Parque Lage

O Parque Lage é um parque público do Rio de Janeiro, que está localizado aos pés do morro do Corcovado, integrando o Parque Nacional da Tijuca. O Parque tem uma vista incrível para o Cristo Redentor (se o tempo te permitir ver) e conta com trilhos para caminhadas ecológicas, grutas artificiais e lagos. O palacete foi construído nos anos 20 e funciona hoje como Escola de Arte. O Parque Laje leva-nos a viajar no tempo.

Morada: Rua Jardim Botânico, 414, Rio de Janeiro | A entrada é gratuita

8. Fazer um tour social numa Favela

A entrada nas favelas deve ser sempre acompanhada por um guia. Por um lado, por uma questão de segurança, mas também porque o objetivo destes tours sociais é serem uma oportunidade para se  viver o Rio de Janeiro de uma perspectiva diferente, permitir uma experiência cultural diversa, dando a conhecer projetos e iniciativas locais de arte e artesanato.

Ver a nossa experiência no post “Uma varanda para a Pedra da Gávea”

Favela da Rocinha

9. Subir ao Corcovado

E lá está Ele, ali, imponente. Visto por todos/as, olhando por todos/as. O Cristo Redentor é um monumento em art decó que foi inaugurado em 1931 e é considerado uma das Maravilhas do Mundo.

Morada: Parque Nacional da Tijuca – Alto da Boa Vista | site: www.tremdocorcovado.rio

10. Subir no “bondinho” do Pão de Açucar

O Pão de Açucar está localizado na Urca, na Zona Sul do Rio, e é uma das atrações mais conhecidas do Rio de Janeiro. A subida no teleférico, que é o seu ex-libris, é feito em dois trechos. O primeiro que vai até ao Morro da Urca, e o segundo que nos leva ao Morro Pão de Açúcar. A paisagem lá de cima é inacreditável. Vemos a Pedra da Gávea, o maciço da Tijuca, o Corcovado, a Baía de Guanabara, a Enseada de Botafogo e as praias do Leme, Copacabana, Ipanema, Flamengo e Leblon.

Morada: Avenida Pasteur, 520 – Urca | site: www.bondinho.com.br


11. Ver um jogo de futebol no Maracanã

O Estádio do Maracanã foi construído para o Mundial de 1950 e tornou-se um ícone do futebol nacional e internacional. Se entrar no site pode informar-se sobre os horários dos tours e, se tiver sorte, comprar entradas para ver um jogo.

Morada: Avenida Presidente Castelo Branco, s/n – Portão 2

12. Tirar uma fotografia na Escadaria Selarón e passear pelo bairro de Santa Teresa.

A Escadaria Selaron é uma visita obrigatória no Rio de Janeiro. Cheia de cor e uma forma artística única, este projeto do chileno Jorge Selaron é um dos locais mais visitados, depois do Corcovado e do Pão de Açúcar.

13. Visitar o Sambódromo

Inaugurado em 1984, o Sambódromo é uma obra da autoria do famoso arquiteto Oscar Niemeyer. Este é o palco da maior festa do Brasil, onde as escolas de samba mostram toda a sua capacidade de recriação. Mexem e remexem os corpos soltando toda a sua sensualidade ao ritmo do Samba. Fora do período do carnaval podemos visitar o espaço gratuitamente.

14. Visitar a Catedral Metropolitana e passear pelo Centro do Rio

O Centro do Rio é muito diferente do glamour de Copacabana e Ipanema. O Centro é marcado, principalmente, por uma arquitetura da Época Colonial que dialoga com edifícios modernos, como a nova Catedral Metropolitana.

Catedral Metropolitana

Destaca-se também o Museu Nacional de Belas Artes que reúne uma das principais coleções de obras de arte do país, e o Theatro Municipal, inaugurado em 1909, que tem um papel cimeiro para a cultura carioca e nacional, recebendo no seu palco importantes artistas, orquestras e companhias de ballet.

15. Curtir a noite da Lapa

A Lapa é o berço da boemia carioca. É o local onde se concentra o maior número de bares, restaurantes e casas de samba. Há atrações para todos os gostos. MPB, jazz, forró ou samba. A paisagem do local é marcada pelos Arcos da Lapa, que são um aqueduto construído pelos portugueses na época da colonização da cidade. Foi a zona onde nos sentimos menos seguros.

16. Ir ao Samba do Trabalhador

O Samba do Trabalhador é uma bela demonstração da cultura carioca. É uma das rodas de samba mais tradicionais do Rio e que acontece, religiosamente, todas as segundas-feiras, a partir das 16h. Um espaço de resistência cultural, que transpira alegria “de bar aberto”. Uma experiência inesquecível.

Morada: Renascença Clube – Rua Barão de São Francisco, 54 Andaraí

17. Fazer um passeio até Búzios, Arraial do Cabo ou Angra dos Reis

Búzios que é um cenário de telenovela. A sua atmosfera mística e afrodisíaca, deixa qualquer um fascinado. O seu casario baixo, as vitrines da Rua das Pedras, as pousadas-boutique, os restaurantes, as suas praias paradisíacas e a noite animada, fazem de Búzios um dos destinos mais desejados para se visitar e ficar.

Fizemos o passeio de escuna (que é um tipo de veleiro) que teve a duração de cerca de 3h de duração e conta com três paragens: Praia da Azeda, Praia de João Fernandes e Praia da Tartaruguinha. Fizemos snorkling, mergulhamos do barco para o mar, dançamos, bebemos, divertimo-nos à grande. E regressamos de coração cheio.

18. A felicidade em pequenos momentos

Como vimos, o Rio de Janeiro pode oferecer-nos momentos incríveis e nem sempre as palavras chegam para os descrever. Mas como em todos os locais do mundo, há aqueles pequenos momentos de felicidade que ficam gravados na memória, porque têm sabor, cheiro e textura. Beber uma caipirinha enquanto ouves música ao vivo ou beber uma água de coco sentado no areal de uma das Praias à espera do por-do-sol. Saborear o melhor açaí do mundo num pequeno almoço de sonho. Parar numa barraquinha de rua para comer uma coxinha de frango, um pastel ou um bolinho de feijão, acompanhado de uma Brahma geladinha, enquanto gritas por uma equipa de futebol do jogo que está a passar na televisão.

Caixa de (outras) sugestões
[ouvimos falar, gostávamos de ter ido, mas o tempo não deixou]

> Pedra do Telégrafo – Certamente já viu aquelas fotografias que simulam que as pessoas estão sobre um grande abismo. Apesar de ser apenas ilusão de ótica, esta situação encheu a região de visitantes. A Pedra do Telégrafo fica na Barra de Guaratiba, no Parque Estadual Pedra Branca.

> Pedra Bonita – Cartão postal do Rio de Janeiro. Para lá chegar terá que fazer um trilho de 40 minutos, adentrando o Parque Nacional da Tijuca.

> Cachoeiras do Horto – É um conjunto de várias cachoeiras: Cachoeira do Chuveiro, do Quebra, do Jequitibá, dos Primatas e da Gruta e ficam no Parque Nacional da Tijuca.

> Pedra do Sal – Monumento histórico e religioso localizado no bairro da Saúde, perto do Largo da Prainha. Local que marca a cultura afro-carioca e os amantes do samba e do choro.

> Quinta da Boa Vista – Parque em São Cristóvão, onde é possível ver a Baía de Guanabara. Ideal para um passeio em família.

> Museu do Amanhã – Construído na zona portuária (mais precisamente no Píer Mauá), foi inaugurado em 2015 para ser um museu de artes e ciências. Quer saber como será o mundo do “amanhã”, visite este museu.

> Mural Etnias –  Próximo do Museu do Amanhã e do AquaRio, é um Mural da autoria do Eduardo Kobra. Uma arte multicolorida.

> Bondinho Santa Teresa – Santa Teresa é um dos bairros mais característicos do Rio,  onde podemos encontrar história, natureza, boemia e boa gastronomia. O bondinho sai do centro e percorre todo o bairro, levando-nos numa viagem pelo melhor do Rio de Janeiro.

> Parque das Ruínas – É muito mais do que ruínas, é cultura, arte, dança, música e faz-nos sonhar, com uma vista maravilhosa sobre a cidade.

> Mureta da Urca – Com uma vista privilegiada para o Cristo Redentor, é o local ideal para ver o por-do-sol.

> Biblioteca Nacional –  Das dez maiores bibliotecas do mundo e a maior da América Latina, tem um acervo literário incrível e uma arquitetura que marca.

> Feira de São Cristóvão – também conhecida como Centro Luiz Gonzaga de Tradições Nordestinas, é um pavilhão que promove o comércio, a cultura e as tradições nordestinas.

> Reservamos este lugar é para si… [ajude-nos a completar esta caixa de sugestões]

Rio, céu, mar
Praia sem fim
Rio, você foi feito prá mim
Cristo Redentor
Braços abertos sobre a Guanabara
Este samba é só porque
Rio, eu gosto de você

Tom Jobim

Informações úteis

> Documentação
Os cidadãos portugueses não necessitam de visto até uma estadia de 90 dias. Devem apresentar simplesmente um passaporte com validade mínima de 6 meses.

> Como chegar
A cidade do Rio de Janeiro tem dois aeroportos. Na área central da cidade, o Aeroporto Santos Dumont, que opera voos nacionais. A 20 quilómetros do centro, o Aeroporto Internacional Tom Jobim, popularmente conhecido como Galeão, que opera voos nacionais e internacionais. Como em qualquer aeroporto, há várias tipos de transporte disponíveis para nos levar ao centro da cidade ou ao alojamento:

Táxis | o táxi é o meio de transporte mais utilizado e mais prático. Dividem-se em taxis comuns e especiais, ambos com preços fixos, sendo que os especiais são mais caros. Dica: não reserve o serviço de táxi ainda dentro do aeroporto. Normalmente os preços são mais inflacionados e, cá fora, o serviço está bem organizado.

Uber | é sempre uma boa opção, pela qualidade de serviço, segurança e preço. É só ter a aplicação disponível.

Transporte público/BRT | a linha TransCarioca Expressa faz a ligação à Barra da Tijuca e pára estrategicamente na estação Vicente de Carvalho, onde há ligação com metro. É a opção mais barata.

Autocarros Especiais | são uma excelente opção. A empresa chama-se Express Recreio, não é necessário fazer reserva e o pagamento é feito diretamente ao condutor. Tem uma frequência de 30 minutos, ar condicionado e bastante espaço para as bagagens.

Metro | não é opção de ligação entre o aeroporto e o centro da cidade.

Transferes Privados | outra opção a considerar, mas fica bastante mais cara. Dica: se vai reservar algum tour pode sempre negociar com a agência um preço especial para o/a ir buscar ao aeroporto.

> Moeda e câmbio
Umas das questões que se coloca de imediato é sobre como fazer o câmbio da moeda (de euros para reais) e qual o melhor local para o fazer. Nós escolhemos o aeroporto para fazer o câmbio de algum dinheiro. Apesar de as taxas poderem ser um pouco mais altas, sempre nos dá a segurança de termos algum dinheiro para as despesas imediatas. Como estamos num país terceiro, a utilização de cartão de crédito implica sempre o pagamento de muitas taxas e comissões de levantamento, processamento e conversão de moeda. Nós usamos o Cartão Revolut, que cobra 2% por levantamento, a partir dos 200€ mensais. Fica a dica, poupe aderindo ao Cartão Revolut.

> Transportes dentro do Centro da Cidade
Para se movimentar na cidade, há 4 fatores importantes que devemos levar em consideração: tempo, dinheiro, segurança e conforto.

No autocarro (que no brasil é ónibus) pode certamente ganhar na parte económica, mas irá perder em tempo, segurança e conforto. Nós andamos em transportes públicos, é uma experiência que recomendamos para quem gosta de adentrar as cidades e as culturas, mas se a estadia for curta, andar de autocarro pode tirar-nos muito tempo.

O metro do Rio é uma excelente opção. Embora esteja sempre superlotado, funciona a horas e tem uma boa rede de circulação. Ganha em tempo, dinheiro e alguma segurança.

Os táxis/Uber são sempre excelentes opções, embora seja a escolha mais cara. Nem sempre ganhamos muito em tempo, dependendo do trânsito, mas ganhamos em segurança e conforto.

> Segurança
A (in)segurança é um dos grandes ‘calcanhares de Aquiles’ do Rio de Janeiro e um dos motivo de maior preocupação para quem decide tirar as suas férias na “Cidade Maravilhosa”. Mas em matéria de (in)segurança, no Rio de Janeiro ou em outra grande cidade, a regra deve ser sempre a mesma: adoptar medidas preventivas de segurança, escolher alojamentos em zonas mais centrais, estar atento/a ao que acontece à nossa volta, ser mais desconfiado/a, evitar determinados locais mais isolados ou mais escuros e parecer, o menos possível, turista. É importante sermos mais um e não o Um. Na altura das épocas festivas esses cuidados devem ser redobrados.
Não se esqueça de fazer o seu seguro de viagem. Recomendamos a IATI seguros, com quem viajamos e trabalhamos. Se quiser saber mais sobre os Seguros da IATI, leia o nosso post “Viaja (com) seguro, como nós” 

> Temperatura
Não podemos esquecer que o Brasil está no hemisfério Sul (e por isso as estações são diferentes de Portugal), e que dentro do Brasil, há muitos “Brasis”, por isso o clima poderá diferir bastante dependendo da zona do país para onde estamos a viajar. Normalmente, entre dezembro e abril, temos a estação das chuvas, onde as temperaturas médias rondam os 28º e o grau de humidade é alto. Pelo contrário, a estação seca, entre maio e novembro é bem mais amena, com valores que rondam os 23º/24º graus.

> Quando IR
O Rio de Janeiro é uma cidade que nos oferece uma variedade enorme de coisas para fazer. Se gosta de praia e de calor o melhor será escolher os meses da época alta (dezembro a março), pois as temperaturas serão mais quentes. Nestas datas, em contrapartida, os preços poderão ser mais elevados porque são coincidentes com a Passagem de Ano e com o Carnaval. Entre maio e novembro as temperaturas serão mais amenas e poderá desfrutar da cidade de uma forma mais tranquila.

> Alojamento
Nós ficamos alojados em dois hotéis, que recomendamos. O Grand Mercure Rio de Janeiro Copacabana Regente, localizado em frente à Praia de Copacabana, a 1 km da Praia de Ipanema; e o Hotel Novo Mundo localizado em frente ao Parque do Flamengo e ao lado do jardim do Palácio do Catete.


– Passeio realizado em dezembro de 2018
– Fotografia de Marcelo Andrade @iremviagem
– Acompanhe-nos também nas Redes Sociais Facebook | Instagram 

Planeie a sua viagem:
Se fizer a reserva através dos seguintes links, não paga mais por isso e ajuda o Ir em Viagem a continuar as suas viagens

* Faça um seguro de viagem com a IATI (e ainda recebe 5% de desconto)
* Encontre o melhor alojamento no Booking. É onde fazemos as nossas reservas.
* Poupe em taxas bancárias usando o Cartão Revolut.
* Quer evitar filas? Reserve no GetYourGuide os seus bilhetes para monumentos e tours.

Este post pode ter links afiliados

0 comentário em “[Brasil] Rio de Janeiro: guia para um final feliz

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: